Importância da Vacinação Infantil

A conscientização sobre a importância da vacinação infantil é um assunto que, cada vez mais, ganha espaço e é debatido com maior frequência.

Isso porque, doenças que até então eram consideradas erradicadas ou com números pouco significativos, como o sarampo, pólio e rubéola, hoje, voltam a causar preocupação.

O sarampo é o caso mais recente. Neste ano, o país voltou a registrar números expressivos de ocorrência da doença.

Dessa forma, podemos dizer que a vacinação é o principal meio de prevenção para uma série de doenças infecciosas.

Assim, uma alta taxa de cobertura vacinal é a principal forma de evitar quadros de epidemias.

A imunização, principalmente durante a infância e a terceira idade, ajuda na prevenção de doenças e no controle de surtos epidemiológicos.

Mas, mesmo com variados benefícios, a vacinação pode gerar algumas dúvidas e dar “força” a alguns movimentos contrários à sua importância.

Os movimentos anti vacinas vêm desconstruindo a autoridade do profissional da saúde e, assim, contribuído para o questionamento e negação de evidências científicas.

Esses movimentos adquirem maior envolvimento graças à autonomia adquirida pela população para a prática da medicina, baseada em informações deturpadas e sem comprovação encontradas nas mais variadas páginas da internet.

Apesar disso, a vacinação tem em sua principal importância a proteção do nosso corpo contra as mais diversas enfermidades.

Qual a importância da vacinação infantil?

A vacina é uma forma de prevenção a fim de evitar doenças infecciosas, ou seja, precisa ser administrada antes do aparecimento do problema.

Ela pode ser composta por vírus inativados, fragmentos de vírus e também de bactérias que, ao entrarem em contato com o nosso organismo a partir da corrente sanguínea, estimulam uma reação protetora do sistema imunológico.

Dessa forma, nosso corpo produz anticorpos que nos protegem de doenças provocadas por agentes externos.

Portanto, a vacinação é importante para todas as idades. O calendário de vacinação é capaz de orientar quando e quais doses tomar desde o nascimento até a senioridade.

Para o recém-nascido, é ideal conversar com o pediatra e verificar quais vacinas são essenciais para o bebê e em quais unidades as doses podem ser administradas.

Vale dizer, que boa parte das vacinas são disponibilizadas pelo SUS.

Para realizar a imunização, basta procurar um posto de saúde com a caderneta de vacinação em mãos. Mas, mesmo na ausência da caderneta, você pode vacinar.

Nos postos de saúde, ao realizar a vacinação, você recebe um registro de controle da vacinação, permitindo atualizar sua caderneta posteriormente.

Em virtude de sua importância, por documentar a situação vacinal de cada pessoa, ela deve ser guardada junto aos outros documentos pessoais.

Principais vacinas para crianças

Desde o nascimento até os 4 anos de idade, todas as crianças devem ser imunizadas com diversas vacinas, de acordo com a programação do Calendário Nacional de Vacinação.

Em princípio, o ideal é que toda dose seja administrada na idade recomendada. Entretanto, caso seu bebê tenha perdido alguma dose, retorne a unidade de saúde para atualizar o quadro de imunização.

A fim de reafirmar a importância da vacinação infantil, vamos falar sobre cada uma das vacinas que os pequenos devem receber.

Ao nascer

Logo ao nascimento, o pequeno recém-nascido deve tomar uma dose única da BCG (Bacilo Calmette-Guerin). A vacina protege contra a tuberculose, principalmente miliar e meníngea.

 

Assim como a BCG, a vacina contra a hepatite B é administrada ainda na maternidade.  Aplicada em dose única, a vacina receberá reforço aos 2, 4 e 6 meses de vida.

2 meses


Nessa fase, deve ser aplicada a primeira dose da vacina pentavalente que protege contra cinco doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções por HiB, como meningite, pneumonia e sinusite.


É aplicada também a primeira dose da VIP (Vacina Poliomielite Inativada) que previne a paralisia infantil.

Além disso, ainda são aplicadas doses da Rotavírus contra a diarréia por rotavírus, e a pneumocócica 10-valente que protege contra a pneumonia, a otite, a meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo.

3 meses

A primeira dose da vacina meningocócica C é aplicada aos três meses e protege contra a meningite C.

4 meses

Esse é o momento de aplicação da segunda dose da vacina pentavalente, VIP, pneumocócica 10-valente (conjugada) e Rotavírus.

5 meses

Aos cinco meses é feita a segunda dose da meningocócica C.

6 meses

No sexto mês de vida, o pequeno bebê irá receber a terceira dose da vacina pentavalente e da VIP

9 meses

Aos nove meses é administrada a dose única da vacina contra a febre amarela

12 meses


Próximo ao primeiro ano de vida do bebê, ele deve receber a dose única da tríplice viral, responsável por prevenir o sarampo, a rubéola e a caxumba. 

Também é realizado o reforço da vacina pneumocócica 10 valente e da meningocócica C.

15 meses

 

Nesse mês, é feito o primeiro reforço da VOP (Vacina Oral Poliomielite) e da DTP, que combatem, respectivamente. a paralisia infantil, a difteria, o tétano e a coqueluche. 

Além da imunização em dose única da Hepatite A e uma nova dose da tríplice viral junto a varicela, a fim de imunizar também contra a catapora.

4 anos

Aos 4 anos de idade, a criança recebe outro reforço das vacinas VOP e DPT. Ela também receberá a Varicela Atenuada.


É importante ficar atento ao Calendário Nacional de Vacinação, pois o Ministério da Saúde o atualiza regularmente, com novas vacinas ou alteração nas doses.

Do mesmo modo, vale dizer que é comum a criança apresentar febre e dor no local, após receber algumas vacinas. 

Em caso de outras reações adversas, bem como, dúvidas que podem vir a surgir sobre a vacinação, converse com o pediatra

Curtiu o nosso artigo sobre a importância da vacinação infantil? Compartilhe essas informações com os seus amigos nas redes sociais!

E continue acompanhando os artigos do Melpoejo, criados especialmente para o bem-estar das mamães, papais e, claro, dos bebês! 

Referência: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/calendario-vacinacao

JF Vôlei inicia temporada com grupo formado por atletas de “casa”

Após descartar a participação no Campeonato Mineiro 2019, a diretoria do JF Vôlei antecipou o planejamento visando a Superliga B. Desde então, já foram iniciados os treinamentos e a formação do elenco profissional com jogadores residentes em Juiz de Fora e região. O comando técnico segue nas mãos de Marcos Henrique, que completará três temporadas no JF Vôlei – uma com auxiliar e duas como treinador da equipe principal. 

Para Marcos, a decisão em antecipar o início da preparação busca aumentar o tempo de trabalho dos atletas e facilitar a execução das ideias de jogo propostas pela comissão técnica: “O principal objetivo é que os atletas entendam a filosofia do trabalho aos poucos, tendo um tempo maior para isso. Eles serão os transmissores para quem vier depois.”

Reconhecido pelo trabalho desenvolvido nas categorias de base e lapidação de atletas, o JF Vôlei também está oferecendo oportunidade para atletas adultos de Juiz de Fora e região. 

Maurício Bara, diretor técnico do JF Vôlei destaca: “Optamos em ficar de fora do Mineiro, mas entendemos a importância de dar continuidade à equipe. Nesse sentido, fizemos um convite para alguns jogadores da região, que a gente acredita que podem desenvolver um voleibol da melhor maneira possível e serem importantes na formação do elenco para a Superliga B.” 

A formação com atletas residentes em Juiz de Fora e região é o primeiro passo para a disputa da competição nacional, que se inicia na segunda quinzena de janeiro. No segundo momento, provavelmente em dezembro, o grupo será complementado com contratações pontuais.

Elenco do JF Vôlei

Levantadores:

Dérick Nascimento Pinheiro, 21 anos, Matias Barbosa

Isaac Rocha de Lima, 16 anos, Juiz de Fora

Centrais:

Filipe Cipriani, 34 anos, Matias Barbosa

Francis Alberto Rosa dos Santos, 29 anos, Juiz de Fora

Pedro Henrique Rezende, 18 anos, Juiz de Fora

Ponteiros:

Maycon Alan de Melo, 26 anos, Barbacena

Rodrigo Campos Costa, 32 anos, Barbacena

Líbero:

Leonardo Barbosa de Almeida, 30 anos, Juiz de Fora.

JF Vôlei

Grupo reunido após treino da equipe, realizado no SESI. Ainda sem Filipe Cipriani, da esquerda para a direita: Leonardo, Francis, Dérick, Rodrigo, Maycon, Pedro, Isaac e Marcos Henrique

Arte: Ian José/JF Vôlei

 Estão ansiosos para a nova temporada da Superliga? Nós do Melpoejo estamos ansiosos e na torcida para os nossos parceiros do JF Vôlei!